Início > cinema > Cinema Anarquizado

Cinema Anarquizado

Filmes assistidos:

Distrito 9 (2009)

Bastardos Inglórios (2009)

A garota Ideal (2007)

Sinédoque Nova York (2008)

O retrato de Dorian Grey (1945) – 15 minutos

O terceiro tiro (1955)

Olá querido leitor do Nark, estou começando uma coluna onde falo (ou pelo menos tento falar) sobre cinema. Antes que alguém me acuse de qualquer coisa, sim, essa coluna é uma cópia descarada do Frenesi Polissilábico do Nick Hornby, exceto que lá ele fala de literatura e aqui eu falarei dos filmes que assisti. Mas duvido muito que alguém aqui tenha lido o livro que traz os textos de Frenesi, duvido mais ainda que alguém que tenha lido o livro entre aqui, e diabos! duvido mais ainda que alguém vai ler essa coluna. Pois bem, se servir de alguma coisa, procure Frenesi Polissilábico em alguma livraria e seja feliz. Enfim, na minha primeira coluna vou debater os seis últimos filmes que vi, dois deles no cinema (Distrito 9 e Bastardos Inglórios) e o resto em DVD. A experiência de assistir filmes no cinema apesar de ser mais prazerosa, visualmente falando, me começa a parecer uma péssima idéia. Detesto quando alguém de porte mais avantajado senta do meu lado me espremendo na cadeira. A maravilhosa qualidade do cinema que deveria ser fator de incentivo para que eu gastasse uma fortuna com um ingresso já não é mais a mesma, pelo menos aqui na minha cidade, a qualidade na telona perde e muito pra qualidade do DVD (claro que em cidades mais politizadas, com cinemas dignos, provavelmente a diferença é pouca, ou inexistente nos cinemas digitais) . Mas como eu queria assistir logo os filmes, minha única escolha era ir até o cinema (comprar no pirateiro apesar de tentador pode se tornar muito frustrante).

09261383Distrito 9 é um filme Sci-fi que mistura cenas como se fosse um documentário e outras com uma narrativa mais ‘tradicional’. A história basicamente acompanha o funcionário Wikus Van De Merwe como supervisor da retirada dos aliens do distrito 9, uma espécie de ‘favela’ onde os visitantes de outro planeta vivem. Após uma visita a uma das casas, Wikus entra em contato com uma substância alienígena e gradualmente vai se transformando em um E.T, é uma espécie de A Metamorfose Sci-fi. Mas ao contrário de Gregor Sansa, Wikus precisa dar um jeito de parar sua metamorfose e assim voltar para os braços de sua maravilhosa esposa. Apesar do enredo típico de Hollywood, o filme consegue ser muito bom, mas claro que não é perfeito. Li por aí uma crítica acabando com o filme por causa de alguns clichezinhos, como a presença do vilão que faz a batalha final contra o protagonista – o básico acerto de contas; o sogro militar, que só quer se dar bem e pouco se importa com a famílias e etc; mas aqui eles funcionaram muito bem. Pra mim o destaque no filme foi a pontada que Peter Jackson, o produtor do filme, deu no fim. Pra quem não sabe, Distrito 9 surgiu de uma fracassada tentativa de Peter Jackson em fazer uma adaptação do jogo Halo, Jackson junto com o diretor de Distrito 9 Neill Blomkamp juntaram os pedaços do que seria a adaptação de Halo e fizeram Distrito 9. Então no fim do filme quando Wikus utiliza a palavra Halo (auréola em inglês, se não me engano), pra descrever como sua esposa é um anjo, pra mim, foi uma matáfora para “viu seus bastardos, o que vocês perderam quando acabaram com minha adaptação de Halo?”. E perderam mesmo. O filme custou US$ 30 milhões e foi pago em três dias de cartaz.

shosanna-dreyfusBastardos Inglórios é um tradicional filme de Tarantino. Humor, violência e diálogos espertinhos recheiam o longa. O filme é mais uma paródia do que qualquer outra coisa e não deve ser levado tão a sério, com sérios riscos colaterais, como mostra o final do filme, que pode parecer absurdo pra algumas pessoas. É a história de um grupo de judeus que buscam vingança assassinando soldados nazistas. Na verdade a melhor descrição pro filme seria uma história de vingança contra nazistas, que engloba todos aqueles que desaprovam as atividades realizadas por Hitler e seus meninos. O destaque do filme vai para Christoph Waltz muito bem no papel do nazista, caçador de judeus, Hans Landa. Quem gosta dos filmes do Tarantino não vai ter do que reclamar, mas pra quem vê o diretor como exagerado e acha de mal gosto toda aquela violência, bem, vá assistir outra coisa.

Nos DVDs a Garota Ideal era um filme que eu já queria ver faz tempo, afinal quem não quer ver a história de um cara que se apaixona por uma dessas Sexdolls, uma espécie de boneca inflável mais bem feita. Devo dizer que o filme não me desapontou, mas ao contrário do que o distribuidor do filme quer fazer parecer, não é uma comédia de gargalhar, mas sim uma comédia dramática que fala sobre solidão, morte e claro, redenção. Quem for assistir esperando uma comédia escrachada, vai quebrar a cara. O terceiro tiro é um filme do Hitchcock e não é preciso falar mais nada. A história mostra um grupo de pessoas de uma cidadezinha tendo que lidar com um cadáver. O filme é mais uma comédia descontraída do que um suspense tenso do diretor, mas vale a pena assistir em um fim de semana qualquer da vida. Já Sinédoque e Dorian Grey não me agradaram, o primeiro apesar de ser de Charlie Kaufman, o cara que escreveu os sensacionais Quero ser John Malkovich e Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças é um filme extremamente chato, triste e melancólico que é capaz de destruir qualquer traço de alegria em você. Acho que dessa vez ele exagerou demais e fez um filme tão denso que a não ser que você seja um fetichista por filmes desse tipo (ou masoquista, sei lá), vai torcer pra que as quase duas horas de filme acabem. O retrato de Dorian Grey eu parei de assistir quando uma mulher lá começou a cantar uma música por uns bons 5 minutos. O livro é sensacional e fala de um cara que é tão belo (sem viadagens, ok?) que ele se torna a própria pintura e assim não envelhece, já o filme, traz no papel de Dorian Grey, um cara que é mais feio que o demônio chupando limão numa tempestade de areia, dá pra levar a sério um filme que fala sobre beleza com um protagonista que parece uma caveira? Não dá. O filme prova que se um dia você quiser assistir um filme baseado em um livro, fique com o livro, porque fatalmente ele será melhor.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: