Arquivo

Archive for the ‘NERD/GEEK’ Category

Capitão América – Crítica

“O Primeiro Vingador” foi o ultimo a ter o seu filme lançado, e em um clima de Indiana Jones, onde ação e humor perfeitamente encaixado , me pegaram completamente de surpresa. AMÉRICA! FUCK YEAH!

Como muitos, era um dos que não seguia as revistas do Capitão. Não sentia necessidade de ler um herói claramente de propaganda de uma época em que os seus valores não se aplicam mais. Porém, graças as sagas da Marvel, como Guerra Civil e a sua mais recente “morte”, resolvi dar uma chance. E não me arrependo. Ed Brubaker transformou o “Soldado De Outro Tempo”, em um conto de espionagem, mistério pulp e onde fantasmas do passado só se mostram como inimigos do presente. Elogiado e premiado, não é de se espantar que o filme busca muito de sua interpretação do herói.

O melhor da construção do filme é focar em Steve Rogers. O homem que é mais importante do que a bandeira que veste. Vemos uma interpretação justa de toda a admiração que Steve recebe dos outros heróis nos quadrinhos. Chris Evans domina o filme, surpreendendo todos os que não acreditavam que ele daria conta de um papel tão icônico. A sua atuação convincente e o INCRIVEL efeito de torna-lo um magricela nos fazem acreditar na honra e determinação de um futuro herói. Méritos que fazem com que ele seja escolhido pelo Dr. Abraham Erskine (Stanley Tucci ótimo no papel), que procura e acima de tudo, um bom homem para se tornar o primeiro supersoldado, sendo que em um primeiro teste, o soro somente amplificou a loucura e maldade do primeiro candidato, o Caveira Vermelha (Hugo Weaving que com a maquiagem leva o prêmio de melhor adaptação de visual de HQ de todos os tempos), os lados opostos de uma guerra e ideais.

Caveira busca o poder dos deuses com o Cubo Cósmico de Odin, em uma ligação direta ao universo de Thor e fiel aos quadrinhos, enquanto Steve se torna o supersoldado e a lenda com a ajuda de Peggy Carter (Hayley Atwell, linda e muito bem aproveitada como interesse romântico), General Chester Phillips, (Tommy Lee Jones inspirado em um papel de durão com bom coração), e os equipamentos de Howard Stark (Dominic Cooper pegando traços de Robert Downey Jr, mas no fim fazendo o personagem ser distinto dos trejeitos do filho). Além dos Howling Comandos e seu melhor amigo Bucky Barnes (Sebastian Stan, mostrando que poderia fazer fácil um spin off com o Winter Soldier).

Joe Johnston coloca toda a sua experiência na produção de Indiana Jones e até mesmo em Star Wars, no clima do filme que lembra também em muitos momentos, Rocketeer. Você se pega rindo das piadas muito bem colocadas, da ação em tomadas abertas e acredita no teor levemente retro-futurista de uma segunda guerra na visão do Universo Marvel.

O que tem de errado?

O filme só não é perfeito por poucos aspectos. Em um mundo perfeito, os direitos dos X-Men estariam nas mãos da Marvel, o que iria permitir mostrar Wolverine agindo com os Howling Comandos nas batalhas como foi usado na HQ.

A trilha sonora não empolga, e na verdade não trás um tema a não ser no “momento musical” que é muito bem empregado.

A luta final, faltou um pouco mais de força no confronto.

Nerd Vision:

Agora a parte para aqueles fãs dos quadrinhos buscarem no filme.

1-      Durante a cena da World Fair vemos o primeiro Tocha Humana. Um ciborgue que junto com o Namor e o Capitão viviam as aventuras na Segunda Guerra.

2-      O visual de Arnim Zola, que por um breve instante, aparece em uma tela, remetendo ao seu visual na HQ onde teve sua consciência transmitida para um robô que reproduz o seu rosto.

3-      Fazer uma homenagem ao uniforme original nos momentos em que Steve vira garoto propaganda do exército, e reproduzir a capa da revista N° 1 com a clássica cena do sono na cara de Hilter são momentos muito agradáveis para os fãs.

4-      Na cena do trem, por um breve momento, Bucky pega o escudo do Capitão e atira com sua pistola. Essa é uma tirada para os fãs de Ed Brubaker que recentemente havia transformado Bucky no novo Capitão América, em um traje levemente modificado, com uma pistola, faca e o legendário escudo.

5-      Bucky que pode muito bem ser aproveitado para um futuro spin off ou continuação do capitão, já que no momento em que Steve resgata Bucky, fica no ar que ele sofreu algum tipo de experimento psicológico. Traços do personagem Winter Soldier que nas revistas Bucky se transforma em um assassino russo com um braço biônico. Personagem esse, que o diretor Joe Jonhston se mostrou disposto a dirigir o filme caso a Marvel se interesse.

 

Agora já temos o Soldado, somos fãs do Homem que se construiu a partir do Ferro e conhecemos um Deus nórdico alienígena. Dentro de 1 ano, vamos ver como eles se saem juntos.

Teaser de The Dark Knight Rises: WHAT THIS ALL MEANS?

Vamos começar com o teaser do Dark Knight Rises ai:

Looking good!
Mas também não dá pra esperar nada de menos do Nolan. Vamos falar a vedade, O Batman do Nolan não pode ser comparado com qualquer filme de quadrinhos. Por que enquanto todo mundo está fazendo “adaptação de HQ”, Nolan teve o timing perfeito e o personagem perfeito para fazer uma “Adaptação de realidade para HQ”. E sejamos justos, não existe nenhum super herói que dá pra fazer isso além do Batman.

Depois do sucesso do sensacional Dark Knight, Nolan é um dos 5 diretores que literalmente pode fazer o que quiser, que vão dar dinheiro sem perguntas. Se cada herói é medido pelo seu vilão, Nolan é o nosso Batman para o Joker Michael Bay.

DKR promete ser o “fim da lenda Dark Knight”. E colocar o Bane como vilão abre muitas teorias de “matar” o Batman. (Se você está lendo isso aqui, entende de quadrinhos, então eu não vou segurar nada). Bane faz todo o sentido para o universo de Nolan no sentido de “final” mesmo. Bane é o Batman-do-mal-com-esteroides, e literalmente quebra o herói ao meio nos quadrinhos. Se Nolan vai fazer isso para o seu Batman, eu duvido. O nome RISES provavelmente vai chegar ao ponto onde finalmente, depois do final, Batman é aceito como herói por Gotham após passar pelo inferno que Bane trouxe a cidade (com o tema da cidade caindo no teaser e pôster e só símbolo do Batman no topo). Isso seria perfeito para Warner, que depois da “Era Nolan” poderia colocar o próximo Batman mais parecido com uma versão das HQ’s. Mas estamos falando do Batman de Nolan, e o que ele quiser fazer, ele faz.

Logo o que tenho em mente é uma provável morte do Batman mesmo. Afinal, se for para ser o final da trilogia, da saga do Dark Knight, ele deveria cair. Se o Batman era visto como um mito no começo do segundo filme, ao final do terceiro, para ele se tornar uma “lenda” como diz o teaser, ele precisa morrer em uma ultima grande aventura, que será contada em gerações futuras. Pistas disso ficam com o surgimento da Mulher Gato na história. Se ele é visto como um vilão por Gotham, faz sentido uma ladra entrar em contato com ele, sendo assim o homem por trás da mascara, encontra uma mulher e quem sabe amor? Afinal já foi visto que vai existir cenas de Bruce e Selina saindo juntos. Seria interessante fazer um jogo de identidades reveladas, e ver Bruce nas mãos de Selina ao descobrir que ele é o Batman, o que faz ela se interessar pelo milionário que sai durante a noite como um morcego. Essa provavelmente seria a parte “leve” do filme, para todo o peso de Bane e sua “subida” a destruição de Gotham. Em uma teoria minha, Bane seria escolhido pelo o grupo League of Shadows como o “novo” Ra’s al Ghul, substituindo o vilão que foi morto em Batman Begins. E que forma melhor de subir ao poder e ganhar respeito, do que matar o homem ou “lenda” que derrubou o seu antecessor? Foi mostrado que nas gravações da Índia, uma cena que pode vir a ser a Lazarus Pit, de onde dizem que vem o poder de Ra’s, logo esse “poder” pode muito bem ser algo que viria a ser utilizado como o “Venon” que Bane usa para ficar mais forte. Essa é uma das formas de ligar o clã de ninjas League of Shadows, ao novo vilão já que é o fim da trilogia e as falas de Ra’s narram parte do trailer.

“In Nolan We Trust“ virou um mantra para muitas pessoas depois de Dark Knight e Inception, então é seguro dizer que o filme vai ser um sucesso. A questão sempre em ponto é, “Será melhor que o Dark Knight?”.

Sejamos realistas. O sucesso foi culpa do Joker. Heath Legder deu uma atuação incrível e o roteiro só ajudou a criar um filme quase perfeito (Nolan, POR FAVOR faça cenas de lutas em que a gente possa ver o Batman lutando e não só ver mega closes e sons), e o fato de ser o seu ultimo filme, ajudaram a levar mais pessoas ao cinema. Porém Nolan pode realmente surpreender todos com um novo clássico e mitológico final para a saga de Batman… até a warner lançar em 2014 um novo filme, com um diretor que vai adaptar uma das histórias da revista e todo mundo dizer que o filme não é nada perto dos filmes do Nolan.

P.S: Eu iria escrever aqui sobre a briga que será TDKR e o Avengers, (visto ao teaser que vazou domingo), mas vou esperar sair um vídeo melhor e a Comic Com ao final da semana. Afinal, bate papo nerd de Marvel e DC tem que ser feito no maior “palco” que existe, e definitivamente a Comic Con é isso.

Bioshock Infinite. O Jogo Que Me Fez Acreditar que Ainda Existe Mágica no Mundo.

Is this thing on?;;; Hello!!!

An we are back!
Seguindo o clima de ressurreição que meu amigo Tiago resolveu dar o blog, resolvi colocar aqui algo que me deu um sorriso enorme essa madrugada.
Em uma semana que você descobre que Transformers 3 se tornou o filme mais lucrativo de 2011 até agora, te faz perder um pouco a fé no mundo.Tá certo que o Lanterna Verde deixou todo mundo enjoado e o seu fracasso me enche de alegria. Por que não dá pra fazer heróis da DC melhor do que os desenhos que já existem por ai. Esses diretores simplesmente não conseguem reproduzir tudo que faz uma história boa funcionar.
Mas ainda existem raros casos, pessoas e equipes que tem talento e fazem obras incríveis. Cenas que tiram o seu folego. Agora se coloque controlando tudo isso, e você tem uma experiência inesquecível.
Com vocês Bioshock Infinite.
Não é preciso dizer o quanto os dois jogos da saga Bioshock são marcantes. Isso já é passado. O que Infinite mostra é totalmente além do que qualquer fã da saga pode imaginar. Você não precisa entender a história com esse video. Eu poderia te contar agora, mas qual seria a graça? Você vai querer entrar nessa montanha russa e descobrir tudo sozinho.
Veja como eles pegam coisas tão clichês: Um “Herói” durão, que só quer ser pago. Mas tem que salvar a mocinha, com uma personalidade forte, porém machucada por pessoas/ coisas que você desconhece. Imediatamente você quer salvar a garota. Todos os diálogos são perfeitos. O clássico “salve a princesa”, e ainda assim, isso tudo é feito de uma forma tão incrível e original que chega a ser assustador.
Pare por 15 minutos e fique deslumbrado. Mal posso esperar para correr nesses trilhos!

Conheça seu novo herói:

Grigory Perelman gênio da matemática que nas horas vagas faz cosplay do Alan Moore

Grigory Perelman, 44 anos. Um dos gênios surgidos de experiências genéticas durante a guerra fria, mostrou a força do esnobismo russo. Depois de resolver um dos grandes problemas da matemática, mandou as favas o prêmio de 1 milhão de dólares, oferecidos para quem conseguisse solucioná-lo.

Segundo relato de um jornal, quando abordado em sua casa humilde, cheia de baratas, mobiliada apenas com uma mesa, um banquinho, um colchão e um lençol sujo, Perelman falou, sem abrir a porta (pois não se mistura com seres inferiores ao seu gênio), que tinha tudo que precisava ali. E educadamente mandou enfiarem o prêmio em algum lugar, muito, mais muito sujo.

O prêmio foi oferecido pelo Instituto de Matemática de Clay que lançou os “sete desafios do milênio”. Cada desafio solucionado daria 1 milhão de dólares para o super-gênio que o resolvesse. Um desses sete era a Conjectura de Poincaré, que foi solucionado pelo Grigory Perelmean.

Hollywood devia aprender com ele e de vez em quando mandar aquele engravatado com uma ideia estúpida enfiar o dinheiro no rabo.

Aqui:
Gênio russo esnoba prêmio de US$ 1 milhão após solucionar problema clássico

Homem-Aranha 4 não mais! Por que isso é bom e ruim em medidas iguais.

"E lá vamos nós de novo!"

O diretor Sam Raimi e o estúdio Sony chegaram no ponto sem saída. Como dizem por ai, muita gente dando idéias, ninguém se acertava, então o jeito foi acabar com tudo. Como o estúdio já estava pensando em começar do zero antes de Raimi topar voltar para o 4° filme, o novo plano é esse mesmo. A data agora é 2012. Soa como o fim do mundo, mas será mesmo?

Por que isso tudo é horrível?

"Tudo é uma merda e é minha culpa!"

Sam Raimi. Ele é o cara que fez os filmes de quadrinhos ganharem o topo do mundo. Homem Aranha 1 o grande boom dessa safra de filmes que temos hoje. Os cinemas eram o palco do sonho realizado de todos os fãs do Aranha. Ali na tela, ele atirava teias em Nova York exatamente como na mente dos fãs lendo as revistas. Seu talento é incontestável. Homem-Aranha 2 foi o ponto alto. Dr. Octopus é o um vilão incrível, e seu duelo com o Aranha nos prédios e metro foram de tirar o fôlego. Mas tudo começou a dar errado quando fizeram ele pegar o vilão Venom, do qual ele não gostava, junto com o Homem Areia que foi sua idéia. O filme foi um sucesso, mas a critica e a maioria dos fãs odiaram a mistura.

Aranha 4 pelo jeito ia pelo mesmo caminho, Raimi queria John Malkovich no papel de Abutre, uma escolha mais do que justa para o papel, mas o estúdio bateu o pé dizendo que o vilão não era bom o suficiente para o filme. Boatos da Gata Negra também circularam para que Anne Hathaway saíram, mas o estúdio achou cara demais. Com um roteiro que Raimi “odiou”, reescrever foi a saída, e se o cara que fez tudo dar certo não gosta, não é o estúdio que vai acertar não é? Logo, sem acordo semelhante que fez o fraco 3° filme acontecer, o jeito foi puxar a tomada e acabar tudo.

Raimi é old school, suas idéias e paixão para o personagem deram a força e o coração que o filme precisava para ser um dos melhores filmes de heróis de todos os tempos. Sem ele o futuro é incerto e para todos um tanto negro, já que é difícil substituir o talento de Raimi.

"Vou mostrar pra você com quantas teias se faz um blockbuster!"

Por que isso pode ser sensacional?

Sendo realista agora. Sou fã do Aranha, até mesmo da época do Venom, que nas revistas em seu começo foi uma ameaça realmente assustadora para o herói. E ver isso ser destruído pelo tempo ridículo em tela no 3° filme foi doloroso. Porém não pior do que ver o Homem Areia ter a sua história mudada de forma ridícula para ser o real assassino do Tio Ben. Uma modificação tosca, só para dar uma profundidade emocional a um vilão que não precisa de profundidade nenhuma!! Ele é um capanga que ganha poderes! O que ele faz? Ele começa a roubar! E o fato dele ainda descobrir a identidade secreta do Homem Aranha e receber “carta branca” para fugir é simplesmente absurdo! (Ah! Você matou o meu Tio! AH, foi um acidente!! Eu te perdoou! Pode fugir agora). Não Raimi, eu sei que isso foi idéia sua. E não deu certo MESMO! E para ter um pouco mais de “emoção” ainda temos o nosso amigo Harry Osborn. Que nas suas primeiras cenas fizeram todo o sentido no mundo pegando o manto do seu pai. Então vem a amnésia… FUCK! Ai não dá! Maior clichê do mundo! Só para ferrar mais com a culpa do herói e tirar a Mary Jane, o que até foi legal, mas ainda assim forçado para o ato do Duende Verde 2.0.

Gwen Stacy. A primeira namorada de Peter foi tirada da sua linha do tempo passando a ser uma parceira de química e modelo, um pequeno beijo para deixar Mary Jane com raiva, uma dança e pronto. Sua finalidade e importância que até hoje, mais de 20 anos depois é louvada, foi ignorada completamente. Mal utilizada e pouco tempo, melhor se nem tivesse aparecido.

Então chegamos no outro ponto que acabou com os fãs. Dança! OH MY GOD< THE FUCKING DANCE!! Sim, os números musicais foram vergonhosos! Peter todo alegre dançando na rua foi triste! O segundo numero no bar, até dava pra agüentar se fosse só ele. Foi realmente engraçado, fazia sentido para a história.

E o pior de todos os pontos. O Emo-Aranha. Eu até levaria sem problemas o cabelo se fosse uma cena em que ele tirasse a mascara e o cabelo ficasse daquele jeito, sem motivo para ligar para o visual, faria sentido. Agora, se olhar no espelho e puxar o cabelo pra baixo para deixar o penteado assim? PORRA!! NÃO!!! Foram piadas e mais piadas totalmente justificadas por esse simples ato. Venom tinha tudo para ser bom, já que Raimi vem de filmes de terror já consagrados pelos fãs, mas no final ficou sem tempo e nem mesmo foi utilizado da forma assustadora que poderia ter sido explorado.

Como disse aqui, existia muito mais potencial em mostrar o Lagarto e até mesmo Kraven para o 4° filme da série, mas Raimi apostava no Abutre. Me desculpe Sr. Malkovich, mas você com asas verdes não seria mais legal do que um Lagarto de mais de 2 metros com lutas nos esgotos de Nova York. Fora que com o Lagarto, Raimi teria a desculpa perfeita para usar a culpa de Peter, (Peter acha que tem culpa no fato do Dr. Connors virar o Lagarto, por ter ajudado nas experiências que levaram ao acidente que cria o monstro). Fora que sendo um monstro, nos esgotos, Raimi poderia usar todo o seu conhecimento em filmes de terror para criar sequências de tensão e suspense durante os duelos contra o Aranha. E a história quase certa da presença da Gata Negra. Não dá!! Usar uma vilã que é praticamente um plágio da Mulher Gato não é a melhor saída. Nem a Anne Hathaway que é linda de morrer poderia salvar o argumento dessa história. Só pra fazer um triangulo amoroso? Raimi, romance não é o seu forte. Lute como você sabe!

Vendo por esses ponto, Raimi estava pronto para fazer um filme bom, mas com enormes chances de dar mais errado do que o 3° filme. Então vamos ao novo cenário.

Começar do ZERO.

Ultimate Spider-Man. Revista que trouxe a origem do Aranha para uma versão mais moderna. É simplesmente fantástica! A revista recontou a origem do Aranha de uma forma nova e muito interessante, e mantendo todos os pontos clássicos do personagem. A atualização mais bem sucedida de uma história. Voltar ao Peter na escola pode ser uma grande sacada. Nos tempos e que o Aranha tinha que lidar com os estudos e salvar o mundo, era uma das melhores fases da revista, e mostrar isso, (já que na versão Raimi, Peter se forma no meio do filme e só existe 2 cenas na escola), existe um grande potencial para uma boa história ai. Mostrar Flash Tompson, tornando a vida de Peter em um inferno e quem sabe, utilizar Gwen com o seu devido respeito nos quadrinhos, finalmente mostraria um triangulo amoroso com Mary Jane de uma forma justa.

Mostrando a origem, (sem mudar depois colocando outro cara matando o Tio Ben!), o filme pode seguir novos caminhos com vilões. A medida mais fácil seria novamente o Lagarto. Coloque o Dr. Connors trabalhando no projeto com genes animais, devidamente patrocinado pelas industrias Osborn! Coloque aranhas no meio disso, o acidente com Peter, que logo depois usaria a sua genialidade na construção de atiradores de teia e o fluido, (sempre odiei no filme os malditos atiradores de teia orgânicos!). Então, faça Peter ter um conhecimento de causa, ajudando Connors no projeto com lagartos em busca de ajudar pessoas que perderam membros e BAM!!! Vilão Lagarto e com Peter sentindo culpa para salvar o seu professor! Coloque Osborn com os resultados dos experimentos e sua ganância em criar um soro para super força e pronto! Seqüência com o Duende Verde garantida!

Como você pode ver, levei 5 minutos para criar um argumento que faria uma reebot de Homem Aranha dar certo. O que falta? Um bom diretor! Esse é o maior problema de todos. Mas nesse caso, podemos deixar na mão de Avi Arad, que continua como produtor. Foi ele que viu a paixão de Raimi pelo Aranha e o chamou para dirigir, quando ninguém esperava, então acredito que ele achará outro diretor talentoso para o trabalho.

Seja como for, teremos pela frente novo elenco, novo diretor e um filme que pode ser a salvação do Aranha no cinema ou o seu fim. Nada é certo, mas gosto de pensar em um futuro sem o fim dos tempos em 2012, e um ótimo filme do Homem Aranha nos cinemas, e pode apostar, em 3D!

LOST – Imagem da última ceia é a melhor pra iniciar o ano.

John "Jesus" Locke! EU JÁ SABIA!!!

2010 chegou, Avatar passou de 1 bilhão em 19 dias e o mundo ainda se acostuma com a idéia de uma nova década. Mas não vamos esquecer que falta menos de 1 mês para que a última temporada de LOST chegar aos nossos olhos.

Então para pular no tempo, passando pelo Natal e o Ano Novo, nada melhor do que essa imagem dos personagens que vão ilustrar o final da melhor série dos últimos tempos.

Eu fui – AVATAR

Quando você está no cinema e um frio sobe a sua espinha. As suas mãos procuram um lugar para segurar, você percebe que está prendendo a respiração, segurando forte como se estivesse em perigo, a música sobre, levanta voou uma criatura alienígena com um ser azul montado em cima dela. Você respira de novo, abre um sorriso. Por uma fração de segundo você estava dentro do filme, ele era o seu Avatar. James Cameron conseguiu. Eu estou sorrindo como criança de novo, bem como naquele dia que vi uma X-Wing pela primeira vez, explodir a Estrela da Morte e a minha vida mudar para sempre.

Pandora, não leva mais de meia hora para você acreditar no lugar. O cuidado absurdo que Cameron teve em chamar botânicos e biólogos para criar um mundo diferente fazem do cinema uma experiência exploratória. Pelos olhos de Jake Sully (Sam Worthington), aprendemos a caminhar de novo. Não é só o corpo ou a habilidade de andar, no filme Jake ganha uma vida nova. E ficamos de olhos arregalados ao ver as criaturas mais reais que já se teve notícia, mas que nunca existiram. Captura de movimento virou captura de atuação. Esqueça o Gollun! Ele se tornou falso e feio, mérito de um trabalho impressionante e inovador que Cameron utilizou para contar a história que vinha esperando quase 10 anos para contar.

Sempre em busca de fazer o seu “Star Wars”, Cameron agora pode dizer que conseguiu. Assim como Lucas, os diálogos podem parecer meio clichês, histórias de superação e luta do mais fraco contra os fortes sempre foram ditas, desde o inicio dos tempos. Elas são contos para serem contados de forma simples, as palavras tem que demonstrar o coração da história. Cameron faz isso de forma honesta. Quando o herói toma para si o manto e a responsabilidade, você está ali com ele. Cameron não precisa de alivio cômico ou cenas engraçadinhas para que seus personagens ganhem simpatia do público, (ouviu Michael Bay? Transformers não é uma comédia com robôs!).

Você não acredita que Cameron fez Titanic, mesmo depois da cena em que Jake e Ney’tiri (Zoe Saldana), se beijam. Você já está dentro de Pandora ali, e mesmo que seja CGI, você não liga. Zoe, atriz que nunca me chamou a atenção, precisou virar um alien para me apreciar a sua atuação no ápice. Seus movimentos tanto faciais como corporais são impressionantes, foto realista ao ponto de você perder a noção do CGI. E a forma como ela pronuncia a língua dos Na’Vi é totalmente instigante. Assim como Sigourney Weaver, que na pele azul fica mais jovem e “viva” comparada a sua persona humana, velha e com o cansaço nos olhos e no habito de fumar.

Avatar tem uma história comovente, como muitos falaram, os Na’vi são um amalgama de todas as tribos indígenas que existem no mundo. Coragem, honra e respeito pelo planeta em que vivem, mostra a total falta de comparação com os “alienígenas” humanos, ou o “Povo do Céu” como eles chamam o homem. Em uma simples fala durante o 3° Ato, Jake tenta explicar para os Na’Vi a diferença, dizendo que a Terra não tem mais “verde”. O que para nós nessa altura do filme, sabemos muito bem que significa que não há mais vida aqui, o mesmo pode ser mostrado pela atitude dos humanos ao lidar com a situação do planeta, onde a rocha vale mais do que a vida de selvagens, ou o dinheiro vale mais do que o planeta e a sua vida, pelo nosso ponto de vista atual.

Coronel Miles Quaritch (Stephen Lang), É o nosso vilão na tela. A sua motivação é quase robótica: entrar, destruir e conquistar. De uma vida de batalhas, ele simplesmente não liga mais para o motivo. Simplesmente está ali para fazer o trabalho, e quanto mais difícil de matar, mais motivado ele fica. Uma alegoria clara de como o poder e a guerra transformam um homem ao ponto de dizer que um genocídio pode ser produzido de forma “humanitária”. Qualidade essa que ele mostra ter se distanciado completamente do sentido.

Falar mais sobre o filme não faria muito sentido. Assim como Star Wars, Avatar pega temas relevante nos dias de hoje. Como a importância da vida, o respeito nas diferenças e a ganância do homem sobre a sobrevivência da natureza, e faz uma fabula de ação e fantasia em um universo fantástico.

São quase 3 horas em outro planeta. Vá ao cinema e aprecie a viagem, você provavelmente nunca esquecerá e vai querer voltar a Pandora.

P.S.1: O.K. que é uma ficção fantástica no ano de 2148 e tudo é sensacional, mas fala sério James Cameron, a maior mentira de todas nesse filme, o maior absurdo, é a cadeira de rodas do Jake Sully não ser automática! Mais de 100 anos no futuro e não vamos ter cadeiras automáticas? Mancada feia cara!

P.S.2: Sim, isso foi um comentário muito do seu chato, mas isso ficou na minha cabeça o filme todo!!